Notícias

24 de Setembro, 2021

CONSUMINDO O MUNDO

A maior ameaça das Mudanças Climáticas não é um aumento gradual do nível do mar. O que virá primeiro e nos atingirá em todos os lugares é o colapso abrupto de nossos sistemas alimentares e os problemas de saúde, pobreza e instabilidade social que isso causará em todo o mundo. Nossa relação com a comida definiu a ascensão de todas as civilizações humanas e o colapso de muitas. Não podemos deixar isso acontecer novamente.

A agricultura permitiu os primeiros assentamentos permanentes, com melhorias agrícolas alimentando comunidades cada vez maiores. A Revolução Industrial consistiu em fazer mais com menos, com produtos mais baratos incentivando um maior consumo para muitos. Mas não para todos. Para quem não tem, permanece um ciclo vicioso em que a insegurança alimentar resulta e contribui para eras sucessivas de pobreza e violência.

Agora essa insegurança está se espalhando. A pandemia da COVID-19 provou abruptamente a fragilidade de nosso fornecimento de alimentos, pois a busca por economias de escala por meio da globalização e o surgimento de monoculturas mais eficientes, nos deixou vulneráveis a rupturas. As filas de muitos quilômetros para os bancos de alimentos em todos os lugares, dos Estados Unidos à Holanda, reforçam que este não é apenas um problema para as regiões mais vulneráveis. É um problema universal, com estimativa de que o número de pessoas passando fome tenha dobrado em 2020. E o impacto dos eventos climáticos extremos que vemos cada vez mais acontecendo, terá impacto sobre nós em todos os lugares, não importa onde vivamos. Ainda é possível, por meio de ações ousadas, fazer algo para evitar este desastre iminente, mas isso requer uma transformação radical; não apenas produzir mais alimentos de forma sustentável, mas também alimentos melhores.

Primeiro, precisamos garantir que aqueles que cultivam nossos alimentos tenham uma situação melhor se adotarem métodos sustentáveis de produção. Eles são os heróis do nosso futuro e precisam ganhar a vida dignamente para isso. Sem eles como protagonistas, não podemos enfrentar os problemas que minam nossa capacidade de produzir alimentos, como a destruição da superfície do solo, a escassez de água doce e a perda da biodiversidade. As práticas agrícolas atuais são responsáveis pela maioria das emissões de gases de efeito estufa, depois do setor de energia. Mas os avanços em nossa compreensão da natureza e dos microrganismos estão trazendo novas soluções que estão prontas assim que aprovadas pelos reguladores. No entanto, os agricultores não podem fazer isso sozinhos.

Também devemos parar de desperdiçar 30% de todos os alimentos que produzimos. Em nenhum outro setor isso seria aceitável. Isso exige que todos nós, de empresas e governos a consumidores, assumamos responsabilidades e façamos mudanças.

Também precisamos parar de comer mal. Uma boa nutrição é um fator crucial para uma população saudável, e a crise da COVID-19 provou isso também. Mas agora estamos divididos entre aqueles que consomem em excesso alimentos sem valor nutricional, daí o aumento de doenças como diabetes, e aqueles simplesmente privados de comida suficiente que sofrem de fome e subnutrição. Em algum momento, perdemos essa conexão entre nutrição e saúde. Os médicos, por exemplo, estudam por anos, mas normalmente dedicam apenas um ou dois dias à sua nutrição. A solução: uma mudança de mentalidade de ‘são apenas calorias’ para ‘nutrição real’, e isso é possível.

Portanto, em resumo, precisamos de mudanças radicais na forma como produzimos alimentos e no que consumimos. O debate em torno das Mudanças Climáticas levou de 20 a 30 anos para ganhar força. Quando se trata de nossos sistemas alimentares, não temos este tempo, pois já é uma ameaça existencial hoje. Mas é possível. Precisamos apenas de ações ousadas, agora.

FONTE: CEBEDS

Notícias anteriores

ESG: MAIS QUE A LINHA DE CHEGADA, É SOBRE A FORMA DE CAMINHAR

Na busca pela coerência e a consistência, é preciso reconhecer as inconsistências ao longo do caminho, escreve Anna de Souza Aranha

19 de Outubro, 2021 leia mais

MUITO ALÉM DO CO2: CINCO TEMAS PARA UMA AGENDA ESG BRASILEIRA

Seis profissionais que têm sido protagonistas em fazer avançar o ESG em suas áreas de atuação colocam o 'S' no centro do debate

13 de Outubro, 2021 leia mais

AFINAL, DE ONDE VÊM AS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO...

Via desmatamento ou pela fermentação entérica dos animais, a pecuária puxa a fila dos vilões locais do aquecimento global

13 de Outubro, 2021 leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA COMEÇAR A ENTENDER O MERCADO DE...

E o que o Brasil está perdendo ao adiar essa discussão

13 de Outubro, 2021 leia mais

UFSC DESENVOLVE TECNOLOGIA DE ENERGIA EÓLICA INÉDITA NO BRASIL

Cientistas do grupo UFSCkite trabalham em um protótipo que substitui as torres convencionais por um cabo e, no lugar das pás, é usado um tipo de asa

07 de Outubro, 2021 leia mais

CONDOMÍNIOS DE AGROENERGIA PROMOVEM ECONOMIA PARA PEQUENAS...

A geração de gás natural em pequenas propriedades rurais, por meio de um sistema integrado, é um bom negócio para o ambiente e para os produtores.

07 de Outubro, 2021 leia mais
  • Página 1 de 54
  • >