Notícias

29 de Outubro, 2020

A SUSTENTABILIDADE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NOS NEGÓCIOS

Os consumidores, em todos os segmentos, estão cada vez mais atentos, críticos e exigentes, desde a cadeia de produção até o consumo ou compra final. Na outra ponta, as empresas entenderam que desenvolvimento pode andar aliado à sustentabilidade e ao meio ambiente.

O tema Desenvolvimento Sustentável, integrado em três dimensões (econômica, social e ambiental) não é novo, apesar de muitos de nós remetermos sustentabilidade somente ao pilar ambiental. O entendimento de que o progresso de que um pilar limita o outro já está exaurido. Um modelo econômico sustentável considera a gestão responsável dos recursos naturais e práticas de desenvolvimento social como fatores determinantes de sucesso e performance de resultados superior.

Uma empresa de práticas sustentáveis atua não somente no impacto de seus produtos e serviços no meio ambiente e nas comunidades que atendem, mas também no tratamento justo e igual às pessoas que emprega, entendendo seu papel na sociedade e adotando mudanças, apresentando soluções para problemas sociais e ambientais.

Sabemos que a viabilidade econômica é o elemento central do desenvolvimento sustentável, pois é por meio da circulação de riquezas e da criação de valor que são gerados os empregos e se proporciona à comunidade a possibilidade de melhoria de suas condições de vida. Entretanto, preocupar-se com toda a cadeia de partes interessadas envolvidas em suas atividades, além de ser uma exigência cada vez maior do consumidor, que muitas vezes se recusa a utilizar produtos e serviços que não estejam de acordo com práticas sustentáveis, passa a ser um tema cada vez mais relevante na visão dos investidores.

Como rentabilizar a sustentabilidade nos negócios?

Investir segundo a prática dos critérios de Governança Social, Ambiental e Corporativa-ESG passa a ser um fator de avaliação do valor de mercado de uma empresa, determinante para que o lucro do acionista ocorra. Portanto, estar comprometido com agenda de desenvolvimento sustentável não é mais opcional para quem quer crescer, hoje é fator competitivo e oportunidade de negócio.

As empresas que adotam práticas ESG dentro de uma estratégia de longo prazo tornam-se mais competitivas, pois reduzem riscos em momentos de crise, os custos através de processos mais otimizados e aumentam a receita e a criação de valor, em consequência do maior interesse e identificação de valor percebido pelos clientes.

Uma pesquisa de 2018 com gestores de ativos conduzida por professores da Harvard Business School mostrou que agora mais de 80% dos investidores consideram os critérios ESG ao tomar decisões de investimento. O fato ocorre não apenas por causa da crescente demanda do cliente, mas também porque tais investidores acreditam que as informações ESG são essenciais para o desempenho do investimento.

Mas o que as empresas devem fazer para adaptarem seus negócios e contribuírem efetivamente para um ambiente mais sustentável?

No âmbito corporativo, é preciso transformar a sustentabilidade em valor relevante para a definição da identidade da companhia e trabalhar para frequentemente incorporar esses princípios na cultura e operações diárias. É papel das organizações estimular comportamentos individuais conectados à cultura organizacional sustentável, através de capacitação, promoção e estímulo ao desenvolvimento e incorporação de novos projetos sustentáveis aos processos atuais, acompanhando por meio dos indicadores sustentáveis e compondo essa nova prática organizacional com o objetivo de longo prazo de desenvolver uma estrutura que produza modelos operacionais mais justos e ambientalmente sustentáveis para os negócios no futuro.

Nesta jornada, é imprescindível contar com um time de liderança que vivencie esta estratégia, buscando cooperação entre as diferentes áreas e identificando as questões mais relevantes do setor de atuação e negócio como um todo, maximizando o desempenho em sustentabilidade, através de uma gestão de processos mais eficiente.


Mas como a Gestão de Processos interfere na Sustentabilidade?

Ambos estão fortemente relacionados. Através de uma Gestão de Processos contínua e eficiente é possível ter uma visão ampla da cadeia de valor do negócio e, com isso, buscar tecnologias e ações que contribuam com a minimização ou eliminação de desperdícios e impactos socioambientais negativos causados pelas operações ou serviços.

Agora mais do que nunca, os significados amplos de negócio, propósito, ecologia, economia, sociedade, inovação, eficácia, eficiência e consciência estão deixando de ser percebidos como antagônicos para serem entendidos como complementares numa visão de sustentabilidade, segundo os critérios ESG.

Dentro de um pilar de governança é importante que as companhias desenvolvam práticas que incentivem o bem-estar dos colaboradores, a equidade e a transparência nas relações e prestação de contas. Estes fatores são essenciais para que a empresa gere valor para os stakeholders e garanta sua perenidade. Nesse sentido, é importante que a governança da sustentabilidade não seja atribuída somente à liderança, mas sim à toda a organização, a fim de garantir um programa de ESG eficiente, que considere controles focados na sustentabilidade, relatórios e indicadores chave de desempenho (KPIs).

Assim, as empresas que adotam o conceito ESG passam a identificar ameaças e problemas como oportunidades de negócios e obtém vantagem competitiva, através do desenvolvimento de processos mais otimizados, produtos mais inovadores e relações mais sólidas. Pensar em sustentabilidade no mundo corporativo, como se pode ver, deixou de ser um luxo ou modismo para ser um diferencial competitivo e uma obrigação para aqueles que querem seguir no mercado. Adaptar-se, se modernizar e pensar nos três pilares com paridade na gestão é essencial.

 

FONTE: www.sustentabilidades.com.br

Notícias anteriores

LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS ENTRA EM VIGOR

Entrou em vigor o DF 10.388, que instituiu o sistema de logística reversa de medicamentos com a participação de fabricantes, importadores, distribuidores e...

21 de Dezembro, 2020 leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA REGULAMENTA O USO...

Foi publicada no DOU, a Portaria MMA n° 280/2020, que regulamenta o Sistema de Manifesto de Transporte de Resíduos – MTR Online e dispõe sobre a...

16 de Dezembro, 2020 leia mais

PRAZO PARA REGULARIZAÇÃO DE POÇOS JUNTO A SEMA-RS ENCERRA EM...

A Sema-RS finaliza no dia 31 de dezembro o prazo para obtenção do documento que regulariza provisoriamente poços tubulares e de monitoramento, conforme...

16 de Dezembro, 2020 leia mais

BRASKEM VAI MONTAR LINHA DE RECICLAGEM DE PLÁSTICO EM SP

O projeto será instalado em Indaiatuba (SP) e deve entrar em operação no quarto trimestre do próximo ano. O investimento da Braskem é de 67 milhões de...

04 de Dezembro, 2020 leia mais

GESTORES PRECISAM FORMULAR PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO...

A partir de 2023 o plano será obrigatório para que as cidades possam receber recursos federais para obras e ações de Saneamento Básico. O documento deve...

01 de Dezembro, 2020 leia mais

PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS (PFAS) SÃO ENCONTRADOS EM GARRAFAS...

Um grupo de produtos químicos tem se difundido em todo o país pelos sistemas públicos de água e no abastecimento de garrafas de água nos EUA.

24 de Novembro, 2020 leia mais
  • Página 1 de 44
  • >