Notícias

07 de Julho, 2020

AGORA É LEI: alimentos e refeições não comercializados podem ser doados

Foi sancionada a Lei nº 14.016/2020 que autoriza a doação de alimentos e refeições não comercializados por parte de supermercados, restaurantes e outros estabelecimentos.

A lei estabelece que a doação pode ser de alimentos in natura, produtos industrializados e refeições prontas, todos ainda próprios para o consumo humano; que os itens devem estar dentro do prazo de validade e em condições de conservação especificadas pelo fabricante, quando aplicável, e a integridade e segurança sanitária não podem ter sido comprometidas, mesmo que haja danos à sua embalagem.

Ainda segundo a lei, para serem doados, os alimentos devem ter as propriedades nutricionais mantidas, ainda que tenham sofrido dano parcial ou apresentem aspecto comercialmente indesejável.

A medida abrange empresas, hospitais, supermercados, cooperativas, restaurantes, lanchonetes e todos os estabelecimentos que forneçam alimentos prontos para o consumo de trabalhadores, de empregados, de colaboradores, de parceiros, de pacientes e de clientes em geral.

A doação deverá ser gratuita e, em nenhuma hipótese, configurará relação de consumo. A lei prevê que sejam beneficiadas pessoas, famílias ou grupos em situação de vulnerabilidade ou de risco alimentar ou nutricional. Pelo texto, essa doação poderá ser feita diretamente, em colaboração com o poder público, ou por meio de bancos de alimentos, de outras entidades beneficentes de assistência social certificadas ou de entidades religiosas.

A lei estabelece ainda que, caso os alimentos doados causem danos, tanto o doador como o intermediário somente serão responsabilizados, nas esferas civil e administrativa, se tiverem agido com essa intenção. Já na esfera penal, eles serão responsabilizados somente se comprovado, no momento da primeira entrega, ainda que esta não seja feita ao consumidor final, a intenção específica de causar danos à saúde de outros.

Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência da República explicou que, além de combater o desperdício de alimentos, a medida tem o objetivo de “combater a fome e a desnutrição, valorizar a responsabilidade social e a solidariedade entre os brasileiros e auxiliar a superação da crise econômica e social gerada pela atual pandemia”.

Edição: Fernando Fraga

Notícias anteriores

PRORROGADO PARA 30 DE SETEMBRO O CADASTRO DAS ROTAS DE...

Os expedidores de produtos e resíduos perigosos transportados pelo modal rodoviário devem cadastrar as rotas de transporte desses produtos e resíduos...

05 de Agosto, 2020 leia mais

FEPAM AMPLIA O PRAZO DE PRORROGAÇÃO DAS LICENÇAS AMBIENTAIS,...

Foram prorrogadas automaticamente todas as Licenças Ambientais, Autorizações e Certificados com vencimento entre os dias 22.04.2020 e 19.11.2020 no âmbito...

29 de Julho, 2020 leia mais

NATURA ANUNCIA INVESTIMENTO BILIONÁRIO NA AMAZÔNIA

Gigante do setor de cosméticos, com receita líquida de R$ 14 bilhões no ano passado, assumiu um compromisso ousado: ajudar a zerar o índice de desmatamento...

16 de Julho, 2020 leia mais

FEPAM ANALISA LICENÇA PRÉVIA DE PRIMEIRO EMPREENDIMENTO DE...

A Fepam começa a analisar o primeiro pedido de licença da história da Fundação para a instalação de um empreendimento que vai gerar energia a partir da...

16 de Julho, 2020 leia mais

NOTA TECNICA DA FEPAM REFERENTE AO MTR NACIONAL

A Nota Técnica leva em consideração a Portaria 280 do Ministério do Meio Ambiente (MMA) que institui o sistema on-line de Manifesto de Transporte de...

09 de Julho, 2020 leia mais

FEPAM EMITE NOVA INSTRUÇÃO NORMATIVA SUSPENDENDO JUNTADA DE...

Foi publicada a IN 004/2020 prorrogando, automaticamente, os prazos processuais para atendimento de condicionantes de processos de licenciamento ambiental,...

09 de Julho, 2020 leia mais
  • Página 1 de 39
  • >