Notícias

14 de Janeiro, 2020

NOVO CÓDIGO AMBIENTAL DO RS: O QUE MUDA?

Código sancionado pelo governador altera mais de 400 itens em relação ao anterior.

A clareza e segurança jurídica evitando a subjetividade, o que no modelo anterior deixava margem para amplas interpretações e conflitos com normas nacionais foi o grande ganho do novo código, segundo especialistas. O grande objetivo da nova Lei é contribuir para a desburocratização do processo de licenciamento ambiental visando torná-lo mais ágil. Houve uma convergência entre a Legislação do RS com a Federal. O bioma Pampa, por exemplo, característico do Rio Grande do Sul, não estava conceituado no código anterior. Mas, 2020 deverá ser de muito trabalho ainda, deverão ser feitas várias regulamentações e com isso o impactos devem ser sentidos de maneira gradual.

Licenças Ambientais:

Um dos pontos mais polêmicos do novo código a criação da Licença Ambiental por Compromisso (LAC). O autolicenciamento prevê tramitação pela internet e servirá para autorizar a localização, instalação e a operação de atividade ou empreendimento, desde que o empreendedor assine Declaração de Adesão e Compromisso (DAC) atestando que atende aos requisitos estabelecidos pelo poder público e respeita as disposições do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema).  

O CONSEMA tem a função de regulamentar as atividades que poderão adotar esse sistema. Já está previsto porem que a licença não poderá ser dada em casos onde haja conversão de áreas remanescentes de ambientes naturais, intervenção em Áreas de Preservação Permanente (APPs) - áreas naturais intocáveis - e atividades que requeiram Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA).  

O texto também prevê a manutenção das Licenças Prévia (LP): expedida na fase de planejamento da atividade, de Instalação (LI): autoriza o início da construção do empreendimento ou da atividade e de Operação (LO): autoriza o início das operações no local.

Além disso, o Código contempla outras duas licenças. A Licença Única (LU): atividades que ter as etapas de LP, LI e LO unificadas. Mas o CONSSEMA também deverá estabelecer quais atividades se encaixam nesse perfil. Já a Licença de Operação e Regularização (LOR): atividades ativas que não fizeram as etapas prévias de licenciamento e buscam se regularizar.

Validade das Licenças

Em convergência com a legislação federal, os prazos passarão a variar de 1 até 10 anos, dependendo da situação de cada empreendimento. Até então, oscilavam entre um e cinco anos.

Prêmio a quem preserva

Finalmente, o código cria benefícios para quem preserva: empresas que não tenham sofrido sanções administrativas ambientais nos últimos cinco anos e às pessoas físicas e jurídicas que realizem ações de proteção e conservação ambiental. A promessa é que quem se encaixar nesse perfil terá prazos diferenciados na análise de processos de obtenção e renovação de licenças ambientais. O artigo ainda será regulamentado pelo Estado. No caso da Licença Prévia, o prazo máximo será de até três meses a partir do requerimento, salvo casos que necessitem EIA/RIMA e audiência pública, que seriam atendidos em até seis meses. Na Licença de Instalação (LI), serão três meses. Já na Licença de Operação (LO), o atendimento ocorrerá em, no máximo, 30 dias.

O Bioma Pampa

A área do Pampa presente em mais de 60% do território gaúcho, agora tem seu manejo regulamentado no código, e, algumas atividades ficarão dispensadas de autorização de órgãos estaduais para serem realizadas:

  • Introdução de espécies herbáceas forrageiras na vegetação nativa, desde que não se caracterize uso alternativo do solo.
  • Roçada ou corte de partes da vegetação herbácea campestre.
  • Descapoeiramento (corte raso) de vegetação nativa sucessora formada por espécies com até três metros de altura, como timbó, espinilho e aroeiras. Neste caso são impostas algumas condições, entre elas a realização com fins de manutenção da vegetação campestre para atividade pastoril, como a pecuária, e a não efetuação em áreas consideradas de Preservação Permanente, de Reserva Legal — área coberta por vegetação natural que pode ser explorada com o manejo florestal sustentável — e de uso restrito.
  • Realização de atividade pastoril extensiva sobre área remanescente de vegetação nativa ou área rural consolidada por supressão de vegetação nativa com atividades pastoris fora de Área de Preservação Permanente e de Reserva Legal, desde que não envolva retirada de vegetação nativa para uso alternativo do solo.
  •  Realização de atividade pastoril sobre área remanescente de vegetação nativa ou área rural consolidada por supressão de vegetação nativa com atividades pastoris em Áreas de Preservação Permanente e de Reserva Legal, desde que o proprietário adote boas práticas ambientais e tenha inscrição no Cadastro Ambiental Rural (CAR).
  • Abrandamento das multas
  • O código contempla a redução de multas ambientais a pequenos agricultores em determinadas situações. Para isso, será observada a situação econômica do infrator. A redução dos valores devidos ocorrerá caso o produtor se encaixe em, pelo menos, dois itens em uma lista de 10 situações já listadas. Podendo ainda, nos casos de vulnerabilidade, ser aplicada a conversão ou substituição da multa pela prestação em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do ambiente.

 

Pulverização

O Código criou regras para a pulverização nas Unidades de Conservação de uso sustentável — locais que procuram compatibilizar uso dos recursos naturais com conservação da natureza. Nesses espaços, a pulverização de agrotóxicos será admitida mediante a utilização de tecnologia embarcada de aplicação, seguindo parâmetros já determinados.

Empreendimentos em zona de amortecimento

Pelo antigo Código, a instalação de qualquer empreendimento em um raio de 10 quilômetros de uma Unidade de Conservação (UC) teria de ter a autorização do gestor da UC. Atualmente o RS tem 23 UCs estaduais e 27 municipais cadastradas. O novo Código revogou esse entorno da unidade de conservação para fins de licenciamento ambiental e manteve apenas a zona de amortecimento, que impõe restrições em um raio a partir de dois quilômetros da UC. 

No dia 22.1.2020, às 16h, a GLOBAL ENGENHARIA AMBIENTAL fará uma live no Facebook com o Engenheiro Tiago Pereira da Fiergs a fins de esclarecer o novo Código Estadual.

Acesse https://www.facebook.com/GlobalEngenhariaAmbiental/ e mande suas dúvidas.

 

FONTE: Global Engenharia Ambiental

 

Notícias anteriores

DIVULGADA NOVA PORTARIA DA FEPAM QUE DESOBRIGA PEQUENOS...

Foi divulgada a Portaria 12/2020 que visa a desburocratização para uma significativa parcela de usuários do MTR On-line. Segundo o chefe da Divisão de...

28 de Janeiro, 2020 leia mais

CRIME AMBIENTAL NA RS 122 EM FARROUPILHA/RS

No sábado dia 25.01.2020. foram encontrados cerca de 300litros de produto ácido com aspecto pastoso na altura do Km 51 da ERS 122, em Farroupilha.

27 de Janeiro, 2020 leia mais

NOVO CÓDIGO AMBIENTAL DO RS: O QUE MUDA?

Código sancionado pelo governador altera mais de 400 itens em relação ao anterior.

14 de Janeiro, 2020 leia mais

SINAFLOR OPERA AGORA COM INFORMAÇÕES GEOESPACIAIS

O SINAFLOR passa a operar com módulo de informações geoespaciais e ficam imediatamente disponíveis para os órgãos de meio ambiente responsáveis pela...

07 de Janeiro, 2020 leia mais

AS PRIMEIRAS PPP’s DO SANEAMENTO DEVEM SAIR AINDA EM 2020 NO...

A partir da aprovação da MP do Saneamento Básico no senado Federal, o Governo Gaucho assinou um protocolo de intenções com 12 municípios interessados em...

07 de Janeiro, 2020 leia mais

CÓDIGO AMBIENTAL DO RS FOI APROVADO

Na última quarta-feira, os deputados gaúchos aprovaram, por 37 votos a 11, o projeto de lei que moderniza o Código do Meio Ambiente do RS. A proposta, que...

13 de Dezembro, 2019 leia mais
  • Página 1 de 32
  • >